sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Poema despedido

Vá... voe
E não chore
Nem fique triste
Apenas sinta saudade
Dos dias alegres e breves

Vá... soe
Como um brado
De liberdade
Apagando todas as máculas d’antes
Com sua intrepidez sem igual

Vá, vou lembrar de ti.
De tudo.
De nós dois
Lembrar que senti
Milhares de ti
Em cada momento,

Em mim.

2 comentários:

Milynh@ disse...

adoreiii esse poema...muito lindooo meu amor!!!bjus

joabe disse...

Parabéns muito bom mesmo........